surveillanceme

Archive for the ‘A Little About My Master Degree’ Category

o que conta é a novidade do próprio regime de enunciação

In A Little About My Master Degree, academic bursary on November 25, 2009 at 12:33 am

Todo o dispositivo
se define, pois, pelo que detém em novidade e criatividade, o qual marca,
ao mesmo tempo, sua capacidade de se transformar ou se fissurar em
proveito de um dispositivo do futuro.


Pertencemos a certos dispositivos e neles agimos. A novidade de um
dispositivo em relação aos anteriores é o que chamamos sua atualidade,
nossa atualidade. O novo é o atual. O atual não é o que somos, mas aquilo
em que vamos nos tornando, o que chegamos a ser, quer dizer, o outro,
nossa diferente evolução. É necessário distinguir, em todo o dispositivo, o
que somos (o que não seremos mais), e aquilo que somos em devir: a
parte da história e a parte do atual. A história é o arquivo, é a configuração
do que somos e deixamos de ser, enquanto o atual é o esboço daquilo em
que vamos nos tornando. Sendo que a história e o arquivo são o que nos
separa ainda de nós próprios, e o atual é esse outro com o qual já
coincidimos.

Devemos separar em todo dispositivo as linhas do passado recente e as linhas do futuro
próximo; a parte do arquivo e a do atual, a parte da história e a do devir, a
parte da analítica e a do diagnóstico. …
Não se trata de predizer, mas estar atento ao desconhecido que
bate à nossa porta.

rompe o fio das teleologias transcendentais e aí onde
o pensamento antropológico interrogava o ser do
homem ou sua subjetividade, faz com que o outro e o
externo se manifestem com evidência. …
estabelece que somos diferença, que nossa razão é a
diferença dos discursos, nossa história a diferença
dos tempos, nosso eu a diferença das máscaras.

Se Foucault deu tanta importância às suas [performances públicas] até o fim
da vida, em França e mais ainda no estrangeiro, não foi pelo gosto da
entrevista, mas porque as linhas de atualização que traçava exigiam um
outro modo de expressão diferente daquele próprio dos grandes livros. As
[aparições] são [espécies de] diagnósticos.

#Deleuze + #Foucault

MARGINÁLIA: Seja Marginal, Seja Herói

In A Little About My Master Degree, the 'old' ones :: master pieces, therefore i am, thinking: i purchase on August 26, 2009 at 2:11 am

Em 12 dezembro de 1968, a jornalista e fotógrafa Marisa Alvarez Lima publica na revista O Cruzeiro o artigo “Marginália – arte e cultura na idade da pedrada” e divulga publicamente os primeiros nomes e trabalhos ligados ao tema da cultura marginal.

[O Ato Institucional Nº 5, ou simplesmente AI 5, entrou em vigor em 13 de dezembro de 1968]

Através de uma relação criativa entre a arte brasileira e o cotidiano social das grandes cidades, a marginália passa a incorporar em seus trabalhos uma série de elementos e representações da violência diária.

Seu intuito era propor uma crítica aos conservadorismos da sociedade. Fruto direto do avanço da contracultura no Brasil, muitas vezes a cultura marginal 
é associada à idéia do desbunde ou da curtição, termos relacionados 
a uma parcela da juventude brasileira desse período.

[desbunde e curtição :: HOT & COOL … mcluhan e as gírias/ dialetos :: línguas-sociedade-linguagem]

Como obras de destaque relacionados à marginália, encontram-se os filmes:

  • “Câncer” de Glauber Rocha (1968),
  • “A Margem” de Ozualdo Candeias (1967) e
  • “O Bandido da Luz Vermelha” de Rogério Sganzerla (1968)

livros:

  • Me segura que eu vou dar um troço de Waly Salomão (1972) e
  • Urubu-Rei de Gramiro de Mattos (1972)

textos de Hélio Oiticica, de Rogério Duarte, de Décio Pignatari e dos irmãos Campos, publicados em jornais alternativos como Flor Do Mal, Presença e O Verbo Encantado (todos de 1972), além das colunas publicadas por Torquato Neto no jornal Última Hora, com o título emblemático de “Geléia Geral” e o almanaque 
de exemplar único Navilouca (1973).

Após uma intensa produção no cinema, na imprensa, na música popular e na literatura, esse grupo se desfaz aos poucos na busca de caminhos individuais de trabalho e tem seu término “oficial” no suicídio de Torquato Neto em novembro de 1972.

“Seja Marginal, Seja Herói”, Hélio Oiticica

[jovens — a nova geração — se inspiram nas pesadas décadas do AI-5 para criarem arte tecnológica nos dias atuais e despontam junto aa midiaticos curadores. enfim o futuro existe… existe ou ‘simplesmente’ se repete?… HOT vs. COOL vs. HYPE vs. ….?]

Digital Ethnography and the participant observation

In A Little About My Master Degree, academic bursary on August 5, 2009 at 2:23 am

The Wesch Ethnography Working Group:

grupo-etnografico---michaelthe video-lecture “An anthropological introduction to YouTube” [June 23rd 2008] was cut-up … to be continue

TAGs & GOOGLE – metodologias de aprendizagens

In A Little About My Master Degree, academic bursary, the 'old' ones :: master pieces on July 22, 2009 at 2:17 am

metodologias de aprendizagem em tempos de rede:

“A composição baseada em tags é mashup.”

[frase-status no gtalk de um de meus contatos online | 20 de julho de 2009]

tags: “max weber” | encantamento

__________________________________________

#1 >> “Max Weber e Michel Foucault: uma análise sobre o poder”

O poder é um fenômeno que vem merecendo muitos e variados enfoques nos estudos organizacionais da atualidade. Mas, a preocupação com este tema remonta de datas bem antigas. Daí, dado as restrições temporais e em termos de espaço, não nos darmos a uma descrição dos variados autores com os múltiplos olhares sobre o poder, mas sim, centralizarmos nosso foco analítico em duas figuras principais: Max Weber e Michel Foucault. O primeiro entendendo o fenômeno em termos de uma materialidade, que, portanto, poderia se metamorfosear em termos de transmissão da base de origem de uma forma a outra, sendo ela ora a tradição, ora o carisma, ora regras impessoais e universais a certas instituições burocráticas que unidas formariam a sociedade como um todo. O segundo, entendendo o fenômeno como uma correlação de forças no interior de instituições de reclusão denominadas “disciplinares”, nas quais os corpos seriam distribuídos, individualizados, adestrados, vigiados, sancionados e examinados no intuito de aumentar suas forças produtivas a um máximo e reduzir suas forças políticas a um mínimo. Nas palavras de Foucault: criação de corpos dóceis.


É importante salientar que a abordagem foucaultiana não se esgota na descrição do exercício do poder disciplinar, ele ainda abordou outra forma de exercício de poder que denominou biopolíticas que em vez de focalizarem os corpos individuais como alvo de exercício procurariam controlar fenômenos próprios à população para que os mesmos entrassem no interior dos cálculos infinitesimais dos controles estatais.

Assim, podemos afirmar, que enquadrados, distribuídos espacialmente, individualizados, postos em relação a uma atividade, vigiados para por fim gerarem um registro que dará forma e conteúdo a diversas disciplinas de saber; os corpos, além de se tornarem dóceis e úteis, ainda produziriam um incorpóreo que possuiria nele próprio todas as regras e princípios da clausura, e este incorpóreo seria nada mais, nada menos que suas próprias subjetividades.

O tipo de sociedade que poria em funcionamento este tipo específico de poder foi classificada por Foucault de sociedade disciplinar “na qual o comando social é construído mediante uma rede difusa de dispositivos ou aparelhos que produzem e regulam os costumes, os hábitos e as práticas produtivas (HARDT; NEGRI, 2001, p. 42)”, sendo posta em funcionamento através de instituições também classificadas por Foucault como disciplinares (a prisão, a fábrica, o asilo, o hospital, a universidade, a escola e etc) que estruturariam o terreno social e forneceriam explicações lógicas e adequadas para a razão da disciplina (HARDT; NEGRI, 2001).


Foucault, ao contrário de Weber, partiria para a observação do que descreveu em sua forma real, ou seja, as observações acerca do funcionamento da prisão, da fábrica, da escola e etc, seriam em sentido lato, “o como” o poder realmente é exercido nestas instituições e as descrições sobre os efeitos desse poder, realmente apresentariam os resultados nos corpos dos afetos das relações de força características deste poder.

Mas, ponto comum entre as duas abordagens é o contexto do exercício do poder. Tanto para Foucault quanto para Weber relações de poder só poderiam existir caso os membros envolvidos em tais relações gozassem de liberdade.

Ao contrário do pensamento usual, o poder não é contrário à liberdade. Sociedades nas quais seus membros não gozem de liberdade política estão sob o jugo de relações de submissão e não relações de poder.

Parece fazer mais sentido acreditar que as pessoas aceitam serem lideradas por o conteúdo do trabalho as afetarem de alguma forma, ou seja, as atividades que tem de executar fazerem algum sentido para as mesmas e, como última observação, podemos citar também a importância do conceito da produção subjetiva como fator explicativo para a atual debilidade e inoperância dos movimentos trabalhistas.

Marcadores [Post Tags]: ciência política, Foucault, poder, Weber

Terça-feira, 16 de Junho de 2009 [acesso em 22 de julho de 2009]

Nativos Digitales: la cultura de la socialización y el mashup

In A Little About My Master Degree, academic bursary on July 6, 2009 at 5:04 pm

descubrir, remixar y compartir

“Hay una defensa corporativa terrible de la cultura del libro y de la lectura profunda, porque lo que está en cuestión no es solamente el bolsillo o las fuentes de trabajo (de la industria editorial), sino un mecanismo simbólico de distinción, como decía Bourdieu. El continuum de “letrado-renacentista-iluminado-vanguardista-experto” es relativizado por la cultura de la socialización y el mashup. No es casual que quienes detestan la distinción, o bien son letrados o son gente que tiene más de 50 años.” @ Nativos digitales: “Hay que ser anfibios, híbridos y polialfabetizados”

mais em: Nativos Digitales -El Libro / El Weblog :: Dieta cognitiva, inteligencia colectiva y arquitecturas de la participación

‘mailled’ by Patricia Martin: descubrir, remixar y compartir.

e post interessante [copy&paste @ fr]:

17 juin 2009
& Twitter et la censure, iPhone et le web, search Facebook

& Twitter, cauchemar des censeurs – Les évènements en Iran démontrent que Twitter est particulièrement difficile à censurer, notamment parce qu’on peut tweeter à partir de différents appareils et applications, note Jonathan Zittrain cité par le New York Times

& iPhone plutôt qu’ordinateur – 40% des utilisateurs d’iPhones accèdent plus souvent au web depuis leur téléphone que depuis leur ordinateur. Ce genre d’affirmation donnant souvent lieu à d’interminables discussions, je précise que les chiffres proviennent d’une étude comScore… réalisée pour la plateforme de pub AdMob… Même s’ils poussent un peu, la tendance est inéluctable et vaut pour l’ensemble des smartphones . Elle est déjà réalité dans beaucoup de pays en voie de développement.

& Facebook lance un moteur de recherche – Il s’agit bien sûr d’une mesure de précaution pour ne pas courir le risque de se faire déborder par Twitter (qui est beaucoup plus petit mais dont le search.twitter.com fait un malheur). Et, ne nous affolons pas, il ne s’agit que d’un test réalisé auprès d’un petit groupe d’utilisateurs. Il permet de chercher dans ses propres flux mais aussi dans les mises à jour publiques des autres.

GARAPA @ The 3thWWW JOSÉ PADILHA

In A Little About My Master Degree, therefore i am, thinking: i purchase on May 15, 2009 at 10:37 pm

pré-estréia gratuita em SP:

próxima segunda-feira, dia 18/ 5, às 19h30

April 29, 2009Award-winning Brazilian director Jose Padilha (Bus 174, Elite Squad) discusses his new film, Garapa. Garapa is the Portuguese name for the sugar water given to children to stave off their hunger cravings and often replaces more nourishing food or drink. Shot in the impoverished North East region of Brazil, this powerful and moving documentary chronicles the effects of hunger and malnutrition on three separate families. This year the film has been screened at the Berlinale and the …

padilhaemcannes2009José Padilha em foto de Jonh MacDougall/AFP11 Fev 2009 – 20h40min – Filmado em preto e branco, o documentário foi rodada no Ceará